Páginas

26.3.12



Hoje de noite não vou a lado nenhum.
Mas tenho potes de Mel para dar. Tenho potes de Mal para tratar. 
O Mel e o Mal são quase-amigos, 
Um porque é demasiado doce, o outro porque tem demasiados filhos.

A soma dos teus números vai acabar por implorar ao meu produto um lugar para dormir. Vai ser um lugar onde o mal estará embutido nas paredes mas por fora escorrerão cascatas de doce mel, tu lamberás os dedos e por fim a tua cidade deixará de ser a soma apenas dos teus números e passará a ser o produto da tua ilusão. No segundo final da história tu morrerás e deixarás de saber que o Mel e o Mal são quase-amigos, um porque é demasiado doce, o outro porque tem demasiados filhos.

3 comments:

Luís Freitas said...

Doce comparação esta.

Se eu disser o velho cliché "aparências iludem", significa isso que consegui perceber o que aqui está?

Eu acho que percebi, e se percebi adorei, e se for o que pensei tu és genial.

Inês Soares said...

Oh Obrigada! Ainda queres partilhar o palco?

Luís Freitas said...

Com todo o gosto ;)